Home  /  Blog  /  CIGAM  /  Gestão da mudança para a transformação digital

Gestão da mudança para a transformação digital

Postado em 02/04/2020 às 14:14

Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Twitter Compartilhar no Pinterest Compartilhar no LinkedIn Compartilhar no Facebook

A transformação digital está acontecendo e quem já entendeu esse processo, sabe que ela está muito mais relacionada com a transformação em si, do que com a digitalização. Pois, como cita o CEO da Rede CIGAM, Robinson Klein, em seu artigo ‘Faça sua transformação digital e cresça com as oportunidades da Indústria 4.0’, a transformação digital não só automatiza, mas transforma modelos de negócios.

 

Ou seja, é impossível fazer parte da transformação digital sem falar e fazer uma gestão desta mudança, um processo que envolve muito mais ações e pessoas do que se pensa. John Kotter, professor da Harvard, disse que a mudança tem pelo menos 8 passos:

 

  1. Criação de um senso de urgência: mostrar para os colaboradores da empresa os objetivos reais desta mudança, para que eles entendam a necessidade de agir e promover as alterações.
  2. Criação de alianças administrativas: o grupo de pessoas responsável pela mudança precisa ter o poder suficiente ou estar aliada a quem tem este poder para implantá-la, pois sem este apoio, a resistência poderá ser mais forte e o projeto estará com grandes chances de fracassar.
  3. Desenvolvimento de uma visão de mudança: quando o colaborador consegue enxergar o cenário com os benefícios que a mudança vai trazer ao ambiente ou ao processo, a adesão fica mais fácil.
  4. Comunicação da visão de mudança internamente: as informações sobre a visão da mudança precisam chegar no maior número de pessoas possíveis, e devem estar com uma comunicação simples, didática e participativa.
  5. Remoção dos obstáculos: normalmente as barreiras estão na estrutura da empresa, competências, sistemas e supervisão.
  6. Geração de vitórias a curto prazo: prever a divisão das atividades em prazos menores para que as pessoas possam enxergar e comemorar entregas.
  7. Não desanimar: estimular e desenvolver as pessoas, mudar a estrutura e os processos que não se enquadram mais na visão para que seja possível ver a mudança acontecendo. Isto é um papel da liderança.
  8. Projetar a mudança: mostrar que o novo caminho funciona, mostrar os avanços e os resultados parciais e então reforçar as novas regras e reconhecer as pessoas.

 

O grande desafio, contudo, está em colocar esta mudança em prática. Enquanto temos gerações mais resistentes à mudança, a nova leva de jovens que chega ao mercado de trabalho demanda atualizações e revisões de muitos procedimentos. Tudo isto, somado a um cenário global de incertezas, me levam a acreditar que nada acontece se as pessoas não estiverem engajadas em um mesmo objetivo. É necessário que todos entendam o verdadeiro valor desta mudança, para que comprem a ideia e sejam agentes ativos em todo o processo. Precisamos de fato, executar o primeiro passo. 

 

A partir daí, é fazer um bom planejamento e acompanhamento para que os resultados sejam analisados, compartilhados, e assim as arestas resolvidas. Entretanto, este é apenas um resumo sobre a Gestão da Mudança, para entender de fato como ela pode e contribui no seu processo de transformação digital, acesse o e-book completo aqui.

 

Estude, analisa, teste e coloca em prática. Tempos de incertezas servem para reinventar nós e também os nossos modelos de negócios. Se a realidade está nos exigindo isto é porque podemos sair fortalecidos, basta coragem e o primeiro passo em direção à mudança.

 

 

Cristina Schnorenberger
Cordenadora de Marketing da CIGAM

Comentários

E-mailTelefoneWhatsapp